Uma pequena cidade em Washington está imprimindo sua própria moeda durante a pandemia

Realização: Prefeitura de Tenino, Washignton, EUA

País: Estados Unidos

O que acontece quando uma cidade cria sua própria moeda social? Em uma tentativa de diminuir o golpe do Covid-19, a cidade de Tenino começou a emitir seus próprios dólares de madeira que só podem ser gastos em empresas locais.

O prefeito da cidade, Wayne Fournier decidiu que Tenino reservaria US$ 10 mil para doar a moradores de baixa renda feridos pela pandemia. Mas, em vez de usar dólares federais, ele imprimiu o dinheiro em finas folhas de madeira projetadas exclusivamente para uso em Tenino. E utilizou uma impressora de jornal de 130 anos de um museu local. A ideia central de Fournier é extraída da própria história de Tenino.

Durante a Grande Depressão, a cidade imprimiu conjuntos de dólares de madeira usando exatamente a mesma impressora de jornal de 1890. Em um ano, a moeda de madeira ajudou a reviver a economia.

Ao restabelecer a moeda antiga agora, Fournier se tornou parte de um movimento muito maior. Com as empresas preocupadas em manter as luzes acesas e as pessoas lutando para conseguir gastar dinheiro, as comunidades têm se esforçado para manter suas economias locais à tona. Então, eles reviveram uma estratégia antiga: na dúvida, imprima seu próprio dinheiro. Hoje, essas chamadas “moedas locais” podem ajudar as pequenas comunidades a se recuperarem das consequências econômicas do Covid-19.

 

Milão anuncia plano para incentivar ciclismo e viagens a pé após fim do confinamento

Realização: Governo de Milão

País: Itália

Em abril de 2020, a administração de Milão, na Itália, anunciou o ‘Strade Aperte’ (Rua Aberta, em tradução livre) plano do município para a mobilidade e o uso do espaço público no pós-confinamento provocado pela pandemia do Coronavírus.

A cidade anunciou que 35 km de suas ruas serão transformadas durante o verão Europeu visando incentivar viagens a pé, de bicicleta e scooter e otimizar o uso do espaço público. Entre as medidas previstas pelo plano estão a criação de novas ciclovias, aumento do número de vias com velocidade moderada e a expansão dos caminhos para pedestres através do aumento das calçadas.

Além disso, o plano também busca facilitar a possibilidade de colocar mesas para bares e restaurantes em áreas externas públicas, a fim de recuperar parte da capacidade perdida no interior dos estabelecimentos em função das restrições de espaçamento.

 

Governo francês libera pacote para incentivar ciclismo após o fim da quarentena

Realização: Governo Francês

País: França

Em abril de 2020, o governo francês anunciou a criação de um fundo de 20 milhões de euros para incentivar os franceses a usarem bicicletas no período pós-quarentena do Coronavírus.

O dinheiro do fundo, administrado pelo o Ministério da Transição Ecológica e Inclusiva, será usado para pagar um incentivo de 50 euros por pessoa, via exclusão de impostos, para aqueles que quiserem financiar reparos em suas bicicletas. O montante também será usado para dar suporte aos custos de instalação de vagas temporárias de estacionamento de bicicletas e para dar treinamento àqueles que desejam aprender a andar de bicicleta com segurança.

 

Amsterdã adota modelo de ‘doughnut’ para reconstrução econômica pós-coronavírus

Realização: Prefeitura Amsterdã

País: Países Baixos

Autoridades holandesas e a economista britânica Kate Raworth, do Instituto de Mudança Ambiental da Universidade de Oxford, usam guia criado pela economista para ajudar a cidade a prosperar pós pandemia. Modelo tem como objetivo a busca do equilíbrio entre as necessidades econômicas de países, cidades e pessoas e os recursos ambientais disponíveis.

 

Covid Radar: coletivo integra iniciativas de enfrentamento à pandemia

Realização: Empresas e organizações

País: Brasil

Com o objetivo de ajudar no rastreamento do Covid-19 e auxiliar a sociedade brasileira no enfrentamento à Covid-19, o Covid Radar surge como uma iniciativa formada com o apoio de mais de 40 instituições públicas, privadas e acadêmicas (incluindo a Rede Brasil, do Pacto Global da ONU) em prol de uma maneira de acompanhar o avanço de casos da doença no país. O resultado é uma fonte de informações seguras e confiáveis para monitorar a contaminação e orientar a tomada de decisões, permitindo a atuação assertiva em cada fase da epidemia.

 

Google mostra onde as quarentenas estão sendo respeitadas

Realização: Google

País: Mundial

O Google está utilizando dados de localização recolhidos de smartphones para ajudar autoridades de saúde a entender como as pessoas estão se movimentando durante a pandemia global de COVID-19, ou seja, como elas estão se comportamento em resposta aos pedidos de isolamento, distanciamento físico e home-office.

Os dados de localização compartilhados por seus usuários são usados para elaborar o que chama de “Relatórios de Mobilidade Comunitária”, criados para ajudar as autoridades a saber se a população está seguindo as recomendações de distanciamento social durante a pandemia.

Informação é baseada nos dados que já são compartilhados voluntariamente pelos usuários e usados para indicar o movimento em lojas e outros locais no Google Maps.

 

Governo brasileiro vai monitorar celulares para conter pandemia

Realização: Governo Federal

País: Brasil

O governo brasileiro vai passar a ter acesso a dados das operadoras de celulares para identificar aglomerações de pessoas em todo o país. Utilizando a geolocalização do celular, ferramenta que checa aglomerações e deslocamentos atingirá 222 milhões de linhas. Recurso será usado pelo Ministério da Saúde em políticas públicas. Dados serão fornecidos pelas empresas de telecomunicações Algar, Claro, Oi, TIM e Vivo.

Ao longo do avanço da pandemia, tem ganhado força o debate em torno de medidas que utilizam dados pessoais e sistemas de vigilância para combater o vírus. Até onde o interesse coletivo pode avançar sobre o individual?

Para parte dos especialistas e das autoridades, o debate sobre o direito à privacidade nesse momento não é apenas irrelevante como também pode ser fatal. O lado oposto aponta o risco da instalação de um Estado de vigilância permanente em nome de um bem comum e em detrimento do direito à privacidade.

 

Portugal concede direitos de cidadão a migrantes e requerentes de asilo durante surto do Coronavírus

Realização: Governo de Portugal

País: Portugal

Em março de 2020, o governo de Portugal determinou que todos os imigrantes com pedidos de autorização de residência pendentes no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) passam a estar em situação regular e a ter acesso aos mesmos direitos que todos os outros cidadãos, incluindo apoios sociais. A medida abrange também os requerentes de asilo.